Menu

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Apresentação

Olá,

Meu nome é Felipe Huszar, tenho 24 anos e como o nome do blog sugere, sou sem sombra de dúvidas um apreciador adepto da boa gastronomia. Esta paixão veio a surgir, digamos, tarde em minha vida, lá para meus 15 anos, mas na verdade, quando me dou um momento para refletir, percebo que este gosto especial foi sendo cultivado desde os primeiros anos de minha infância, quando meus pais me levavam para desfrutar os mais variados sabores pelos restaurantes do Rio de Janeiro. Nesta época eu era chato para comer, nem cebola eu comia, mas o fato é que eu sempre estive rodeado por pessoas que sabiam apreciar bons pratos. Sem falar das boas bebidas.

Minha querida mãe sempre foi muito trabalhadora, desde que eu me conheço por gente sempre a vi cuidando de casa, exercendo sua profissão e estudando, procurando alcançar seus objetivos. Como uma típica mãe de família, sabe até hoje fazer excelentes pratos, porém não pára aí. Para nosso prazer, ela sempre teve curiosidade de estudar livros de culinária, principalmente quando se tratavam de receitas que levavam frutos do mar ou peixe. O resultado destes estudos foram, para mim, prazerosos anos de vida desfrutando deliciosas travessas de peixe, bacalhau, camarões empanados, risotos de frutos do mar, caranguejo, sushi e outros tipos de comida japonesa, sem falar de outros pratos.

Meu pai não sabia fazer nem um ovo frito. O interesse de aprender qualquer coisa relacionada à cozinha nunca surgiu nele, que eu saiba. Em compensação, gaúcho inveterado, era um apreciador da boa gastronomia, principalmente pratos com carnes exóticas, como carneiro, capivara, até lebre. Graças a este gosto, sempre fomos a diversos restaurantes durante minha infância e adolescência.

Acredito que esta dupla tenha sido a principal responsável para meus primeiros passos no gosto da arte da culinária. Aos meus 15 anos, eu estava morando com minha mãe. Ela sempre foi de cozinhar bastante, mas nesta época era mais no fim de semana, pois ela trabalhava. Nesta época comecei a ficar de olho, observando os pratos que minha mãe fazia, perguntando as dúvidas mais básicas, mas não colocava muito em prática. Lá para os meus 18 anos, época em que conheci minha esposa, minha mãe viajava em alguns fins de semana e aí, e como a minha esposa ia dormir lá em casa, eu gostava de fazer uns pratos para impressionar. No começo, não saía grandes coisas, mas eu fui me aprimorando com o tempo.

Para resumir, deste então meus gostos alimentares mudaram bastante. Passei a querer aprender cada vez mais, adquiri uma vontade constante de me aprofundar neste mundo, descobrir pratos diversos, segredos. Para mim, é quase química, você mistura os elementos procurando chegar a uma solução estável, com resultados fascinantes.

Nos próximos posts estarei escrevendo sobre os diversos pratos e bebidas que tive o prazer de apreciar nos 18 dias que passei na viagem de lua de mel que fiz à Europa com minha esposa. Espero que sintam o gosto!



3 comentários:

  1. Legal, Felipe. Vou seguir o blog, o primeiro post teve gosto de quero mais. O texto é bom e o assunto obviamente me interessa. As aventuras gastronômicas da Regininha são memoráveis. Qualquer pizza congelada sentado num banquinho da cozinha são suficientes pra uma noite maravilhosa. Ótima companhia, ótimo papo e gargalhadas. Cadê o próximo?!!

    ResponderExcluir
  2. Fabiano, obrigado pelo incentivo! O segundo post já está publicado no link http://mundogastronomic.blogspot.com/2011/12/1-dia-parte-i.html?spref=fb

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir